quinta-feira, 10 de setembro de 2015

E quando o racismo afeta as nossas crianças negras?


Aí você está com uma criança em seu ventre, cheia de amor para dá, super empolgada com a gravidez, entra no facebook e se depara com o relato abaixo (texto compartilhado no grupo público UFBA).

Gabriel Davi compartilhou a publicação de Gaby Nunes.
1 h · Editado
O negoço é esquecer e não reagir, deixar pra lá... Ou não?
Hoje, 9/9/2015, ano em que amam dizer que vivemos uma democracia racial, eu fui no banheiro do curso de inglês e encontrei uma menina de 6 anos sentada no canto e chorando, eu fui perguntar se ela tava passando mal ou algo, ela disse que não, daí eu disse que ela era muito bonita pra ficar chorando e ela chorou mais e me disse que na turma de inglês dela tinham eleito ela a mais feia da sala, que tinha cara de faxineira, cabelo ruim e nariz de tomada(sim crianças de 6 anos fizeram isso) e ela chorando me disse "não entendo por que me acham tão feia assim, eu não sei por que eles não gostam de mim, eu nunca fiz nada pra eles" eu desabei olhando pra ela chorar e me falar aquilo, vocês tem noção dessa violência? Ali eu me vi, e vi inúmeras meninas negras que passaram pela mesma situação, eu chorei por mim e por ela, por todas nós, que tão cedo não sabemos o que tem de errado com a gente. E falei que ela era linda, mandei ela segurar meu cabelo e ver como era enroladinho que nem o dela e que eu e ela eramos lindas assim. Depois claro fui fazer barraco na secretaria e ligar pra mãe dela pra mãe dela tomar providências, sabem o que a mãe dela disse? Pra ela parar de drama, sabem por que a mãe dela disse isso? Por quê vivem dizendo o quanto somos obrigados a aceitar, porquê o discurso de Morgan Freeman que amam gritar aos 4 ventos diz que não devemos reagir e não falar no assunto que ele se resolve, a não reação travestida de pacifismo nos exige aguentar calados enquanto cultivamos auto ódio, o assunto que vocês prometem se resolver sozinho perdura por longos anos atingindo a inocêcia de nossas crianças negras, orientaram ela a ficar calada, afinal é brincadeira não é mesmo? E nem venham me dizer o quanto estão chocados por crianças fazerem isso por que fazem por anos, e todo mundo sabe, e fazem por causa de vocês, do seus sistema racista e sujo do início ao fim que acha normal ver preto na rua, que mostra negra como serviçal e pedaço de carne e gisele's como como lindas, brancas de neves como princesas, e que quando colocam as poucas negras na mídia que sejam o mais embranquecidas possível, que normaliza a população negra em sub empregos e demoniza e nos afasta de toda a cultura preta e apaga nossa história(pasmem temos uma história antes de nos escravizarem). Antes de chorarem as dores dessa menina saibam que ela não vem do nada, vem desse sistema racista que a maioria apoia e bate palma, reveja inclusive suas atitudes diárias. Enquanto isso lamento profundamente mas não abaixo a cabeça, respondo e grito bem alto que RACISMO NÃO PASSARÁ !!!
SALVEM A INOCÊNCIA DE NOSSAS CRIANÇAS!

O que fazer? Ficar chocada? Se indignar sem nenhuma outra perspectiva? Chorar? Se desesperar achando que não vai mais dá para educar sua bebê da maneira como previa?

Não, cara pálida! Estou me empoderando mais e mais para fortalecer a minha filha que, certamente, infelizmente! passará por isso.

Aí alguém pode perguntar: Mas Gilmara, você acha mesmo que Shaira Cristal passará por isso?

Ora, é muita ingenuidade acreditar que em um país que sobreviveu e ainda sobrevive ás custas da secular escravização, em particular do povo negro, não vá reproduzir seu ato insano de discriminar a minha garota por ser negra - acho pouco provável que não seja negra já nós, seus pais somos.

É muita ingenuidade acreditar que seus traços não servirão de chacota para outras crianças que são criadas sem um mínimo de consciência que contrarie tal ato.

Há quem diga até que criança é criança e por está se descobrindo comete "equívocos" sem pensar. Ocorre que, você há de convir comigo que o dito "equívoco" (para quem quer acreditar nesta justificativa), deprecia quem o recebe, gera fortes impactos negativos que refletem na sua auto estima, cria a crença de que de que a inferioridade faz mesmo parte da sua rotina e, portanto, não há o que fazer a não ser aceitar. Vem sempre na tentativa de fortalecer a ideia de que a aceitação pacífica é o melhor caminho para resolver o problema, ou seja, ignore, faça de conta que não é com você. Além disso, não mais se trata de racismo, não é? É o tal do Bullying, termo que para muitos/as causa uma impressão de suavidade e, portanto, de não ofensa.

Mas veja o significado do próprio termo: Bullying é um termo de origem inglesa (bully = "valentão") que se refere as formas de atitudes agressivas, verbais e físicas, intencionais e repetitivas, que ocorrem sem motivação evidente e são exercidas por um ou mais indivíduos, causando dor e angústia, com o objetivo de intimidar ou agredir outra pessoa sem ter a possibilidade de ou capacidade de se defender, sendo realizadas dentro de uma relação desigual de forças e poder ( Mais informações).

O racismo bem como todas as outras formas de opressão que se expressam por conta da nossa aparência, estética, modo de falar, andar e tudo mais, que não se enquadra no padrão hegemônico do tipo nariz afiladinho, lábios finos, cabelos lisos, cor de pela não negra etc e tal, não descansam. Nem mesmo quando somos crianças. Nem mesmo quando estamos nesta fase da vida onde muitos/as dizem que é a fase mais ingênua e feliz. E aí é que mora o problema porque é muito particular da população brasileira de um modo geral usar das sutilezad para discriminar. Aqui o racismo  velado é o mais comum e por isso mesmo perverso. É manifestado, na maioria das vezes, com um tom de brincadeira e do "não foi bem assim" ou ainda "você fez interpretação equivocada".

Ah, deixa disso!

Pára com esta hipocrisia de que vivemos em uma democracia racial!

É claro que não desconsidero os avanços alcançados, sobretudo, a partir da luta do nosso próprio povo negro por melhores condições de vida, pela criação de instrumentos legais como o Estatuto da Igualdade Racial , que nos respalda em casos frequentes de racismo. Contudo, não nos livra de sermos os alvos preferidos. Também não acredito que as crianças são exclusivamente culpadas. Aliás, a intenção não é encontrar um culpado, afinal vivemos em uma sociedade muito bem estruturada e organizada para alimentar a ideologia de que existe grupos inferiores e superiores, cujo quesito raça/cor é determinante para fazer parte do primeiro. E as crianças, neste caso, são usadas como instrumentos de reprodução desta crença.

Por isso mesmo minha filha será ensinada a valorizar seu pertencimento racial para enaltecer a sua auto estima, independente do espaço qual esteja. Como? Já começa pelo seu primeiro nome. Shaira é um nome de origem Africana (Nigéria) e significa Poetisa. Além disso, seu papai e eu selecionamos várias historinhas e filmes afro-infantis que reafirmarão suas raízes. Sem discurso acadêmico, usaremos sim a linguagem acessível para o seu entendimento e mostraremos, portanto, que a fase de formação e descobrimentos, mesmo ainda criança, não legitima atos racistas, pois é tudo muito direcionado e cheio de intencionalidade que não passa a mão pela cabeça e não alivia.

É isso.




Um comentário:

  1. Gil, estou amando o seu "Blog". E concordo com tudo que foi escrito, não deixe em momento algum que ninguém discrimine a sua garota; eu sei bem o que é isso pois até hoje ainda passo por situações embaraçosas. Vou dar um pequeno, rápido e recente fato acontecido: Em agosto passado, vivemos um momento muito feliz, a colação de grau da minha irmã mais velha com 61 anos em "Letras", fato acontecido em Aracaju, tudo bem, mais o mau dito racismo que não foi convidado se fez presente como foi bem citado no seu texto. De forma velada, carinhosa, engraçada, não para mim mas para quem praticou. Um convidado da minha irmã ou seja, o seu chefe no trabalho ao me ver me cumprimentou muito cordialmente mesmo porque eu já o conhecia, "Mas o engraçado", foi o comentário que o mesmo fez para ela (Tereza está diferente porém não dizia qual a diferença) então eu falei para ela . Minha irmã a tal diferença está no meu cabelo pois resolvi não relaxar ou alisar para me apresentar bem no evento, acho que escrevi muito mas te digo não permita que Shaira Cristal seja julgada "Diferente" em lugar algum principalmente na escola.

    ResponderExcluir